Enodeco – Harmonização de Época

A Páscoa já se foi, mas muitos pratos típicos dessa época não abandonam nosso cardápio. Não, não é o coelho, gente! O coelho nesta época traz os ovos de páscoa, mas não comemos o coitadinho de olhos vermelhos e pelos branquinhos. Pelo menos não é o que a tradição diz. Então, já que não é o coelho, que venha o tradicional bacalhau!

 

Para começo de conversa, o mais importante: O que vou escrever aqui são formas teóricas de se harmonizar vinho com bacalhau. Mas nada, nada mesmo, substitui o gosto pessoal de cada um. Então, não tomem como verdade absoluta este ou outros posts que encontrarão por aí. Tomem como verdade o gusto pessoal de cada um!

 

Confesso também que não sou fã de bacalhau e que já perdi muitos almoços maravilhosos por conta disto, mas sabe aquela comida que não dá pra encarar? Então… infelizmente sou assim com este nobre peixe. Mas como dever de blogueiro e professional do vinho, preciso estudar mais a fundo todas as opções, características e afins, para poder ajudar a conduzir e sugerir harmonizações. Então vamos lá:

 

Dentre as várias espécies de bacalhau duas são as principais: a Gadus morhua, que habita as águas frias do Oceano Atlântico, nas regiões do Canadá e do Mar da Noruega e a Gadus macrocephalus que habita o Oceano Pacífico na região do Alaska. Tem outras espécies, vindas de outros lugares, mas estes são os principais. Há também outros que são os genéricos, geralmente vendidos salgados e secos, mas efetivamente estes genéricos não são Bacalhau!

 

Falando de como o Bacalhau é feito e consumido, os modos são os mais variados possíveis! Alguns mais conhecidos são o Bacalhau à Lagareiro, à Braz, à Gomes de Sá, à Espanhola, ao Forno, à Marialva, à Portuguesa e outros por aí. E eles vão dos mais leves e delicados, até os mais temperados e complexos, com acompanhamentos mil…

 

A Harmonização: é muito difícil criar uma regra, afinal, como disse acima, os modos de se fazer um Bacalhau variam muito. E isto influencia no tipo de vinho e de acordo com os próprios portugueses é um tema que está longe de ter uma única opinião entre todos. Mas se eu tiver que dar algumas dicas de harmonização, aqui vão elas:  Geralmente o azeite e o sal são bem presentes nas receitas e isto já nos diz algo importante: Evitar vinhos com muitos taninos e muito corpo, pois os taninos brigam com a oleosidade e com o sal da comida.

 

Outra dica: Quanto mais leve e suave for o Bacalhau, mais leve e suave deve ser o vinho. Os tradicionais Vinhos Verdessão boas opões neste caso.

 

Para Bacalhaus mais complexos e temperados, podemos aumentar o corpo dos vinhos. Um Branco um pouco mais amadeirado, como os modernos brancos da região portuguesa da Bairrada ou se quiserem sair de Portugal podem servir um delicioso Chablis (Borgonha-França). Ah, vc é fã dos tintos e não importa qual o prato, vai beber um tinto? Tudo bem… vc pode optar por um tinto não tão tânico como um Pinot Noir com leve toque de madeira ou até um espanhol da região da Rioja como um Crianza.

 

Agora, se quiser encarar um vinho tinto de mais estrutura e sem abrir mão dos portugueses, o cuidado a ser tomado é o que falei acima, do azeite e do sal. Sendo um bacalhau que não pese muito nestes 2 ingredientes, pode abrir o tinto que quiser. E seja feliz 🙂

 

Boa Páscoa, Bons Bacalhaus, Bons Ovos de Páscoa e claro, Bons Vinhos!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s